quarta-feira, 27 de abril de 2011

Meditação de Thaís

Meditação de Thaís é um trecho da ópera Thaís de Jules Massenet, baseada no livro de mesmo nome de Anatole France.

Embora existam algumas diferenças entre a ópera e o livro, em geral ambos contam a história da personagem que dá o nome das obras – Thais – uma dançarina, atriz e cortesã de Alexandria, e as histórias são ambientadas no século 4. Thais encantava a todos com sua beleza e sua dança.

Na trama, Athanael, um monge cenobita, faz de tudo para converter a pagã Thais à Cristandade. Na verdade, Athanael apaixona-se por Thais, e transforma seus desejos ocultos por ela em uma obsessão por transformá-la em uma verdadeira dama cristã.

Thais, por sua vez, vive o conflito de ver sua juventude ir embora e ter de reconhecer sua própria mortalidade. Nesse momento de fraqueza, Athanael consegue convencer e levar Thais para um convento para que ela seja convertida. Mesmo conseguindo seu objetivo, Athanael não consegue esconder seus sentimentos por Thais, e quanto mais tentava esquecê-la, mais seus desejos o assombravam.

Quando Thais está no convento, ela torna-se uma santa. Após anos lutando contra seus próprios sentimentos, Athanael fica sabendo que Thais está morrendo, mas quando decide confessar seus sentimentos por ela, já é tarde demais. Thais morre de inanição (causada por ela mesma) nos braços de Athanael, logo após ele confessar seus sentimentos a ela.

A ópera não é encenada com muita frequência devido às dificuldades vocais que ela apresenta. São poucas as sopranos que conseguem cantá-la. A meditação de Thais é o trecho mais famoso da ópera e foi escrito originalmente para violino. Hoje podemos ouvir versões para piano, piano e violino, e orquestra, e é considerada uma das mais belas melodias de todos os tempos. Na ópera, a meditação é um interlúdio, ou seja, uma parte de transição entre atos, o momento em que Thais começa a questionar-se sobre seu futuro e pede à deusa Vênus que mantenha sua beleza.

Durante a pesquisa para escrever este post, eu encontrei uma entrevista de Renée Fleming, soprano, considerada uma das maiores intérpretes de Thais. Neste trecho que traduzi para colocar aqui, ela explica um pouco melhor sobre a personagem que interpreta, e termina fazendo uma relação que podemos facilmente enxergar na dança do ventre.

“Thais não é apenas uma obra musical. Sob o ponto de vista da atuação, ela também é um interessante estudo psicológico.
Ela é uma figura bastante moderna. Algo importante de se entender é que a palavra “cortesã”, especialmente na época em que Massenet escreveu a peça, tinha conotações completamente diferentes – e muito mais positivas – do que as de hoje. Referia-se a mulheres mais resguardadas do que a prostitutas. [...] Essas mulheres tinham vidas fascinantes. Elas eram completamente independentes, ao contrário das mulheres casadas, e podiam viver cercadas pelos grandes artistas e mentes de seus dias. Thais também é uma grande atriz e performer, uma estrela, e é precisamente por essa razão que Athanael deseja convertê-la. Então ela é um personagem maravilhoso para interpretar, tanto por sua confiança aparente quanto pela forma como ela utiliza seus dons de sedução para dominar seu próprio mundo. Mas ela também é incrivelmente solitária. Ela percebe que, no futuro, uma vez que sua beleza tenha desaparecido, ela não terá mais nenhum valor na sociedade, e está em um busca desesperada por algo mais. Essa busca por uma vida espiritual além da beleza física passageira relaciona-se conosco atualmente – relaciona-se às pessoas de qualquer época.”

Na dança, também podemos encontrar diversas interpretações para “Meditação de Thaís”. Essa peça, embora podendo ser executada por mais de um instrumento, apresenta a mesma carga emotiva e intimista de um taksim da música árabe. É aquele momento em que a bailarina dança “o conflito” e reconta a história de Thais através de seus gestos e expressão. E mesmo sendo uma peça escrita originalmente para o canto, “Meditação de Thaís” nasceu para ser dançada.

Além do belo vídeo da Ariella (que com certeza estudou muito para criar sua apresentação dessa música), existem outras interpretações muito lindas dessa música. Eu selecionei uma do tradicional ballet, e outra da patinação artística. Os 3 vídeos não devem ser comparados (todos possuem belas histórias sendo contadas com muita qualidade nas execuções, cada um dentro de sua própria expressão artística), são todos bonitas representações da mesma melodia. O da Ariella já está no post anterior, então aqui estão os outros dois.



Fontes:

http://www.nytimes.com/2008/12/10/arts/music/10thai.html
http://www.suite101.com/content/philosophy-and-fiction--thais-by-anatole-france-a211884
http://operaciv.org/Thais.htm
http://operaedemaisinteresses.blogspot.com/2008/12/fleming-protagonista-de-thas-de-jules.html

4 comentários:

Sasha Holtz disse...

oi!! Obrigada pelo comentário !!!


Adorei seu blog!! Muito Legal!
Lembro de vc da apresentação de Said no E ventre de 2009. Tava Linda


Bjs!!

Sasha
sashaholtz.blopgspot.com

Lory Moreira disse...

Obrigada por nos trazer cultura e conhecimento!

Anônimo disse...

procurei Meditação de Thaís por que assim chama minha filha. Achei seu blog, é uma das coisas mais encantadoras que encontrei na rede. espero não perde-la de vista. e mostrarei para minha filha Thaís.

Edison Cazallas disse...

Escalafobeticamente MARAVILHOSO o seu trabalho

Sou todo gratidão - Parabéns O:) <3