domingo, 1 de fevereiro de 2009

Com dor e um estranho sorriso




Em 2007, no primeiro grande festival de dança que eu participei, tivemos 3 dias de aulas seguidos e foram aulas bem puxadas. No segundo dia eu já acordei bem dolorida, então procurei pegar mais leve e não forçar o corpo. Aproveitei pra anotar bastante coisas. Mas eu vi um monte de meninas com aqueles emplastros na coluna e nos joelhos. Também vi várias tomando analgésicos e anti-inflamatórios. Fiquei chocada e pensei "Nossa, que doidas, como podem fazer isso?"...bom, quem cospe pra cima...


Nesta semana eu fiz um curso intensivo de ballet. Tive aulas todos os dias de 2 horas cada. Nem preciso dizer como ficou meu corpo, né? Na 4ª feira (terceiro dia) já estava acabada! Na quinta-feira estava um pouco melhor (na verdade cheguei a sentir tanta dor que acho que o corpo acabou acostumando, sei lá) e tive alongamento (e o alongamento do ballet é bem ao estilo câmara de tortura). Bom, pra aguentar a aula de sexta-feira não aguentei e tomei o bem-dito analgésico. Paguei minha lingua!! Aliás tomei um na quinta à noite e outro na sexta antes da aula. Acho que nunca tinha ficado tão dolorida.



Nesta semana tive que cancelar minhas 2 aulas de dança do ventre porque eu simplesmente não tinha condições. Só de imaginar um shimmie já doía. Hoje é domingo e ainda estou dolorida, mesmo tendo ficado o fim de semana "de molho".

Mas é engraçado porque eu senti um estranho prazer mesmo com toda essa dor. Eu gostei muito do ballet, mas não era só isso...não sei explicar, mas cada dia que eu acordei parecendo que tinha levado uma surra, eu sorria...estava feliz, talvez por estar começando do zero de novo, por superar alguns limites (especialmente quanto à flexibilidade), mas continuo achando tudo muito estranho, um tanto masoquista.

E também tenho uma outra frustração: nunca tive bolhas nos pés. E olha que já treinei horas a fio, sem sapatilha, com sapatilha, saltando, girando, e nada! Os pés ficam pretos e nojentos, mas nada de bolhas!


Será que Freud explica?



11 comentários:

Lili disse...

Não não...acho que nem freud explica...rsrsrsrs

fiz aulas de ballet quando era criança, parei no ano que subi na ponta por falta de grana...na época gostava muito do ballet clássico, mas hj, não troco a dança do ventre por nenhum outro estilo...rs =)

beijão

Ket disse...

Acho que qnd vc está aprendendo algo útil e bacana, qualqueeeer dor provoca sorrisos!

ahh muuuito obrigada pela música. Linda, linda mesmo!
Gosto muito de De Bussy ^^

Luana Mello - Dança do Ventre disse...

a dor no corpo faz com que nos sintamos vivas e é a prova 'concreta' de que estamos evoluindo e fazendo algo por nós mesmas!

sou viciada nessas dores!

Eve. disse...

Oiee! ^^ Dei um selo pra o seu blog!! Dá uma passada lá no meu e pega!! Beijosss!

http://evefelix.blogspot.com

Nat, ou Katrina de Sarom disse...

Amei a expressão "alongamento do ballet ao estilo câmara de tortura" hahahaha, me veio uma lembrança da minha professora tão doce, meiga, um amor de pessoa, mas na hora da aula, ai senhor.. hahahaha...
Ai essas dores são um problema. Uma porque a gente gosta, duas porque a gente repete sempre que pode!

Ah, eu vivo com bolhas nos pés, mas tenho certeza que não é resultado do ballet não... rs

Mas... é por estudar um montão assim que a gente consegue assimilar o turbilhão de informações que a gente recebe! Então, eu apóio... rs.

Beijocas!!

Naznin disse...

Oi meninas!

É, acho que Freud teria muitas pacientes, rsrs...

Com certeza eu me esforço bastante e quero ver meu corpo assimilar tudo que eu aprendo, mas chegar ao ponto de tomar remédio pra dor aí já fiquei mais preocupada...

bjinhos

Samara L. disse...

Tenho um medo religioso de ballet clássico. Assim, como alguns tem medo do demônio. Desde pequenininha.
Mas você é mesmo uma tortura. Estudo muito menos do que deveria e meus pés estão sempre destruídos, soltando pedaços de pele! *INVEJA*

Samara L. disse...

* leia-se "sortuda" onde escrevi "tortura". Ainda tava impressionada com aquele troço do ballet...

Luciana Arruda disse...

flor, uma dica: aspirina é tudo de bom e não tem contra-indicação!
e, calma...com a ponta, mais dia, menos dia, as bolhas virão lhe dizer um 'oi'.
=]

Naznin disse...

Oi Samara,

não tenha medo do ballet não. Eu fiz um intensivo, então claro que foi bastante pesado, mas acho que qualquer outro estilo de dança colabora com a nossa, e o ballet trabalha um pouco de tudo no corpo! Eu gostei bastante e pretendo continuar.

Já me falaram que eu to reclamando à toa por causa das bolhas, maaaas, sabe como é, bailarina que nunca teve bolha, pra mim é estranho.

bj

Naznin disse...

Oi Luciana,

eu tomei o Dorflex, mas na próxima (se houver, porque tenho que tomar cuidado) vou tentar a aspirina.

Obrigada!

bj